Notas Sobre Mim

O mundo divide as pessoas em dois grandes grupos: aqueles que gostam de português e a galera de exatas! Você pode até achar exagero meu, mas se parar para analisar é mais ou menos assim mesmo que acontece. Então se você não está no “grupo” de pessoas que é de humanas, eu reforço o convite que vou fazer fazer agora.

Em uma das minhas experiências com a terapia convencional conheci a TCC (Terapia Cognitiva Comportamental) e um dos muitos exercícios que aprendi por lá foi escrever diariamente. Considero que foi de extrema importância para definir meu processo naquela época. Como a proposta deste espaço é compartilhar ferramentas para o autoconhecimento vou trazer uma prática que criei para apoiar o MEU desenvolvimento, se fizer sentido pra você será um alegria ajudar.

Tentei alguns modelos antes de chegar no que vou compartilhar aqui, mas hoje este é o que faz mais sentido. Dei o nome de “Notas sobre Mim” e funciona assim:

No primeiro dia de menstruação, e nesse caso se você não menstruar (homens, gestantes ou por qualquer outra situação) sugiro que comece se possível no primeiro dia da lua nova, sim você leu certinho, pega lá o calendário lunar e se organize! Poderia tecer algumas explicações sobre essa relação mas vou deixar para um outro momento, ok?!

Por que o início da menstruação?

Somos seres cíclicos e precisamos de uma vez por todas encarar essa nossa natureza divina e única. Estamos mais sensíveis e muitas vezes confusas em relação à tantas coisas, por isso começar o Notas sobre Mim nesse momento faz sentido, como é uma atividade que reflexão e acompanhamento perceber nossos sentimentos nas várias fases será muito importante para o processo de autoconhecimento. Quem vai ao médico quando está se sentindo bem? Respondo: ninguém! Vamos quando temos problemas, mas existe em nós uma sabotadora que insiste em nos dizer que “você tem tudo, por que se sente assim?”, ou até mesmo “já pensou que existem pessoas em situações piores, deveria ser grata!”. Quem nunca ouviu ou falou uma dessas pérolas que levante a mão!

Nesse momento de vulnerabilidade precisamos ter clareza de como funcionamos e é percebendo nossos ciclos que vamos ter informações claras para agir de forma mais eficiente.

Não precisa escrever diariamente, mas precisa sim definir um número de escrita por mês, sugiro um mínimo de 12. Levando em consideração as quatro fases mensais pelas quais passamos, com essa quantidade temos uma média de três escritos por fase. É um bom número para começar.

Não existe uma temática específica para escrever, eu sugiro que:

- comece se perguntando como se sente no momento;
- descreva como foi o dia, seja o mais detalhista possível;
- escreva sobre os pensamentos que vierem à mente bem como eles são, sem julgamentos ou acertos, coloca pra fora sem censura.

Esse é um tipo de atividade que não tem resultados imediatos, aliás nenhuma tem não é verdade? Por isso consistência é uma palavra importante se você quiser ver resultados, então, se comprometa com você! E tudo bem se esse exercício não fizer sentido agora, corre os outros tópicos e vê se algum outro pode te ajudar no momento, está tudo bem!

Mas se você decidiu se comprometer e reservar esse tempo precioso com você mesma, defina um horário e se possível até um lugar para fazer isso. Coloque na agenda com lembrete de pelo menos 1 hora, para que nada, nada mesmo seja capaz de te tirar dessa jornada tão importante que é o autoconhecimento.

No primeiro mês, terá informações preciosas sobre você porém é a partir do terceiro que você observará seus padrões de sentimentos e atitudes, e essa informação é ouro. Tive um professor na pós graduação que era especialista em gestão estratégica da informação, e ele dizia que “sem boas informações é impossível tomar boas decisões”, está aqui a prova:

Quando a gente escreve o que sente é como se nosso banco de dados estivesse sendo alimentado. Porém os dados por si só não tem valor, quando organizados de um modo significativo tornam-se informação de ouro. Porém podemos ir além, um grupo de informações, ou seja de dados organizados, quando avaliado se torna conhecimento. Chegamos no ponto que queria, e no nosso caso aqui autoconhecimento. A inteligência é definida como todo conhecimento contextualizado e relevante, já pensou como deve ser se conhecer a ponto de saber que em alguns momentos participar de uma reunião de negócios pode não ser tão eficiente, ou ao contrário, saber que está tão confiante que consegue vender gelo no deserto? O autoconhecimento é isso, inteligência estratégica que pode e deve ser levado para a vida nos apoiando para podermos tomar boas decisões para nós mesmas e como consequência também para os outros!

Para te apoiar nesse processo preparei um presente, BAIXAR PDF.

Aproveita a jornada e se sentir de compartilhar, fique à vontade, no Instagram com a #notassobremim ou se preferir no email atelierdonamariaflor@gmail.com.

Com Carinho,

Dona Maria Flor.